Browsing Tag

Young woman praying and meditating in church
Reflexões,

Confiar no Deus da salvação

O pedir, quando se faz com fé, tem sempre implícito um «faça-se a tua vontade». Não é uma fórmula de resignação, mas de confiança no melhor que pode acontecer na nossa vida, embora às vezes não compreendamos as estranhas maneiras humanas em que a vontade divina se manifesta.

Blessing of God
Reflexões,

Pai com entranhas maternas

A palavra humana não abarca a totalidade de Deus. As nossas expressões são sempre uma tentativa de aproximação à essência divina. É sugestivo que o Credo designe como ‘Pai’ e recorre às características próprias da maternidade: a que gera, a que dá à luz, a que transporta a criança no seu seio, é a mãe, embora evidentemente o pai também intervenha na geração.

Creating Sculpture
Reflexões,

Contemplar a beleza

A arte é um dos caminhos para a fé, «mais do que tantas palavras e ideias» (Papa Francisco, 28 de setembro de 2018). E também pode contribuir para «sair do pragmatismo utilitarista» que transforma tudo «em objeto de uso e abuso sem escrúpulos» (Carta Encíclica sobre o cuidado da casa comum, 215).

stained glass window depicting Pentecost
Credo,

Creio no Espírito Santo

O «Credo» tem uma estrutura trinitária: divide-se em três partes, cada uma delas correspondendo a uma das Pessoas da Trindade: Pai, Filho, Espírito Santo. Estamos no artigo dedicado ao Espírito Santo. Tal como os outros, também este começa com uma afirmação de fé: «Creio no Espírito Santo».

.Woman hands praying for blessing from god on sunset background
Credo,

Um só Deus

A primeira afirmação de fé, no «Símbolo Niceno-Constantinopolitano», é «Creio em um só Deus». Quando afirmamos «Creio em um só Deus» não estamos a afirmar que conhecemos tudo sobre Deus. Estamos a manifestar a nossa adesão pessoal ao Deus bíblico plenamente revelado em Jesus Cristo.

Silhouette of human hand with open palm praying to god
Credo,

Creio

A reflexão sobre o «Credo» limita-se, muitas vezes, a constatar que o texto é muito complicado… Não poderemos olhar de outra forma para as palavras que expressam a nossa identidade cristã?