Vida

14 de novembro de 2020

Encontro dominical

O domingo é o dia propício para partilharmos a vida, recriarmos a maneira de estar juntos, alimentarmo-nos da Palavra e do Pão, sentirmo-nos enviados como apóstolos da caridade. A proposta arrisca promover uma experiência real de vida, a partir do coração da nossa fé cristã e católica, para que a fé seja vida em cada um de nós, fé ativa no coração da nossa vida.
10 de novembro de 2020

A morte, sem ambiguidade

O mais grave, para o cristão, não é a morte física, mas a espiritual, esta sim é sempre consequência do pecado, porque se toma a decisão de ‘sair de casa’, longe da comunhão com Deus. Na medida em que nos aproximamos de Deus e nos tornamos semelhantes a Jesus Cristo, desvanecem-se o medo e a angústia, crescem a confiança e a esperança.
5 de novembro de 2020

Sede de Vós, meu Deus

Estes dias mais sombrios do outono e a proximidade do final do ano litúrgico unem a humana finitude ao desejo de infinito. É uma época propícia para aprofundar a esperança dos ressuscitados. Crente é aquele que está sedento de Deus, por quem suspira «como terra árida, sequiosa, sem água». Tenho ‘sede’ de Deus?
31 de outubro de 2020

Caminho para a vida

Pelo que sabemos, a vida plena em Deus implica ‘deixar’ este tempo e este mundo. A morte afigura-se como o (único) caminho possível para entrar nos céus, mergulhar no eterno de Deus. Unidos a Deus, sem fissuras no amor, a turbulência e a tristeza da morte dão lugar à esperança e à paz, até à alegria, no caminho para a vida.
30 de outubro de 2020

Até que a morte nos una

O mês de novembro, por vários motivos, tornou-se propício para recordar a nossa condição frágil e finita, associada à morte dos nossos familiares e amigos. Ainda bem que a Igreja, neste primeiro dia, nos convida a celebrar a santidade, a fonte e meta da nossa existência. Uns procuram a ‘amortalidade’, a morte da morte. Nós, cristãos, buscamos a imortalidade dos filhos de Deus.
29 de outubro de 2020

Bem-aventurados

A solenidade de Todos os Santos, ano após ano, celebra a felicidade. É a meta de todos os que se deixaram amar por Deus e escolheram o caminho proposto pelo Mestre: «Bem-aventurados». É a nossa meta, «a geração dos que procuram o Senhor», criados para sermos felizes em íntima relação filial com Deus.
23 de outubro de 2020

A caridade dá que fazer!

O amor a Deus e ao próximo tem mais possibilidades de germinar e frutificar em nós, quando, de coração agradecido, reconhecemos que somos amados, sempre e desde sempre. Isto enche-nos de paz e de alegria, invade-nos de um desejo profundo de testemunhar o amor. Há, portanto, um mandamento prévio ao amar a Deus e ao próximo: deixar-se amar por Deus.
24 de setembro de 2020

Os mesmos sentimentos que havia em Cristo

A coerência é tópico em destaque neste Vigésimo Sexto Domingo (Ano A). Há momentos em que dizemos ‘sim’ com os lábios, mas o coração fica preso ao ‘não’. Em qualquer caso, para Deus, a sinceridade do coração é mais decisiva do que as discordâncias, quando existe disponibilidade para seguir os seus caminhos. Com humildade e alegria, assumindo «os mesmos sentimentos que havia em Cristo Jesus», entremos nesta lógica do amor divino.
18 de setembro de 2020

Inveja e murmuração

A inveja e a murmuração destroem a comunidade. São uma janela aberta para a entrada do mal, uma barreira ao amor e ao perdão. São um veneno que divide a comunidade. O Papa Francisco não se cansa de alertar para estes dois grandes males pessoais e comunitários.
instagram default popup image round
Follow Me
502k 100k 3 month ago
Share