Comunidade

4 de setembro de 2020

Correção fraterna

Deus criou o ser humano para a fraternidade e o amor. E convida-nos a ser guardiães dos nossos irmãos. Por isso, na comunidade cristã, todos somos custódios uns dos outros, certos de que a presença de Jesus Cristo ocupa o centro da fraternidade: «onde estão dois ou três reunidos em meu nome, Eu estou no meio deles». Sem isto não é possível entender a proposta evangélica de correção fraterna.
3 de setembro de 2020

Estou no meio deles

O Vigésimo Terceiro Domingo (Ano A) convida a refletir sobre a dinâmica que há de presidir à vida comunitária. Cada membro da comunidade assume a missão de ser apóstolo do amor fraterno. Para aprimorar a vida em comunidade e promover a perfeição evangélica, o Mestre propõe a correção fraterna. Eis uma prática a redescobrir!
27 de junho de 2020

O ‘terceiro’ elemento

O matrimónio entre dois cristãos não exprime um amor diferente daquele que pode acontecer entre outros casais que se amam, ainda que sem qualquer vínculo civil ou eclesial. Trata-se de uma diferente orientação do amor. Um casal cristão celebra o seu amor como um dom transformador de Deus. Neste casal há uma novidade, um ‘terceiro’ elemento sempre atento e disposto a conduzi-los para o amor divino.
16 de junho de 2020

A força de pertencer

A mudança acontece menos pela pregação ou pelo ensino e muito mais pela construção de relações de confiança e de amizade, através da atenção pessoal e da pertença. Os pequenos grupos surgem como uma ferramenta para fomentar a pertença, de modo que a comunidade se converta numa comunidade de comunidades. São essenciais para uma comunidade expressiva e uma paróquia saudável.
9 de maio de 2020

A alegria partilhada

Na mesa, realiza-se a dupla união dos crentes com Jesus Cristo, pela Eucaristia, e dos irmãos entre si, pelo pão partido, repartido e partilhado. Numa mesa assim, antecipa-se a alegria do Reino dos Céus. Se não nos empenharmos, aqui e agora, a promover mesas assim, não teremos qualquer elemento para comparar o Reino e, portanto, não teremos modo de o fazer compreender, nem desejar.
25 de abril de 2020

Como vamos fazer?

A partir do que existe (não a partir do vazio ou do nada, mas a partir do pouco que há) Jesus Cristo toma uma decisão para agir. E ao repartir, o que existe multiplica-se. Até ao ponto de, no final, haver sobras. Que fazer? Deitar fora? Não. Recolhê-las. Podem servir para outros ou para outra ocasião.
5 de novembro de 2019

Ousar nascer de novo

O Laboratório da fé apresenta um plano para fazer da paróquia uma comunidade viva, ativa e alegre, cheia de entusiasmo por Jesus Cristo. Chamamos-lhe Renovação Inadiável.