Reflexões breves

26 de maio de 2020

Ficamos a ganhar

O evangelista João usa o termo ‘Paráclito’: consola e conforta, encoraja e reanima, advoga e intercede em nosso favor como defensor. O Espírito Santo torna Jesus Cristo presente. Uma presença diferente, mais discreta, mas não menos real. É graças ao Paráclito que o Ressuscitado continua connosco todos os dias até ao fim dos tempos. Com o envio e a presença do Espírito Santo, todos ficamos a ganhar!
23 de maio de 2020

Metáfora e realidade

Quando é que Jesus Cristo sobe aos Céus, quando é que entra na vida em Deus para sempre e nunca mais morrer? No dia da ressurreição. A partir de Deus (ou dos Céus, significa o mesmo) assegura a perene efusão do Espírito, que ele entregou na crucifixão: ao morrer, diz o evangelho segundo João, entregou o seu espírito. Ao morrer, o que é que aconteceu? Isso mesmo, Deus acolheu-o para sempre no seu seio.
19 de maio de 2020

Escancarar o coração

A experiência do encontro pessoal com Jesus Cristo foi o primeiro grande desafio a todos os cristãos católicos, na homilia de início do pontificado (22 de outubro de 1978): «Não tenhais medo de acolher Cristo [...]. Não, não tenhais medo! Antes, procurai abrir, melhor, escancarar as portas a Cristo! [...] Não tenhais medo!».
16 de maio de 2020

Confiar na sorte

O Espírito Santo não atua de forma automática ou mágica. Atua sempre connosco e nunca sem nós. Não se pode confundir a ação do Espírito Santo com a espontaneidade e a improvisação. A sua ação está ligada ao nosso esforço e dedicação. Atua, mas através da procura, do empenho, da sensibilidade e da inteligência humana.
12 de maio de 2020

Um abraço de esperança

A Fátima, este ano, peregrinamos pelo coração. «Fátima é sobretudo este manto de Luz que nos cobre, aqui como em qualquer outro lugar da Terra quando nos refugiamos sob a proteção da Virgem Mãe» (Papa Francisco). De Fátima, recebemos um abraço de esperança «que nos sustente sempre, até ao último respiro».
9 de maio de 2020

A alegria partilhada

Na mesa, realiza-se a dupla união dos crentes com Jesus Cristo, pela Eucaristia, e dos irmãos entre si, pelo pão partido, repartido e partilhado. Numa mesa assim, antecipa-se a alegria do Reino dos Céus. Se não nos empenharmos, aqui e agora, a promover mesas assim, não teremos qualquer elemento para comparar o Reino e, portanto, não teremos modo de o fazer compreender, nem desejar.
5 de maio de 2020

Caminhos novos

A paragem radical em todas as atividades litúrgicas e pastorais, pode ser favorável à tomada de decisões, ainda que seja útil a prudência quanto à forma de as implementar. Bom princípio é ser sistemático, sem ser drástico. Aceitemos nas possibilidades que este tempo pode proporcionar à nossa vida pessoal e à nossa comunidade (paroquial), no presente e também no próximo futuro.
2 de maio de 2020

Trinta e um dias com Maria

Exortados a entrar na ‘casa’ de Maria para partilhar o ‘óleo da fé e da alegria’, contemplamos a esperança que a ilumina. O rosário é também a ‘escola’ de Maria, que nos ensina a contemplar, em várias perspetivas, momentos da vida o Filho de Deus: recordar Cristo com Maria; aprender Cristo de Maria; configurar-se a Cristo com Maria; suplicar a Cristo com Maria; anunciar Cristo com Maria.
28 de abril de 2020

Uma questão de amor

A vocação é a ‘busca’ do propósito de vida. Para o crente, é ‘chamada’ de Deus: «coloca toda a nossa vida diante de Deus que nos ama, permitindo-nos compreender que nada é fruto dum caos sem sentido, mas, pelo contrário, tudo pode ser inserido num caminho de resposta ao Senhor, que tem um projeto estupendo para nós».