Laboratório da fé

29 de junho de 2021

Abraçados pelo essencial

A Igreja é ‘minha’, não porque corresponde ao que eu quero, à minha vontade sobre ela, antes porque a amo como ela é, com a sua grandeza e as suas fragilidades; é ‘minha’ porque me disponho a cuidar dela com amor (fraterno).
26 de junho de 2021

Décimo Terceiro Domingo, Ano B

A fé tem um papel decisivo: «Minha filha, a tua fé te salvou»; «Não temas; basta que tenhas fé». Em ambos os casos, Jesus Cristo revela o coração de Deus que cura e dá vida, que harmoniza a saúde e a vida. É um texto revelador da missão de Jesus Cristo; porém, há que ter fé.
26 de junho de 2021

Cinco linguagens a aprender

Gary Chapman propõe «As cinco linguagens do amor», cinco modos de experienciar o amor, sendo que cada pessoa está mais predisposta apenas para uma ou duas dessas formas de amar: palavras de apreço; atos de servir; receber presentes; tempo de qualidade; contacto físico.
25 de junho de 2021

Um pedido e um desejo

A fé ‘toca’ com seriedade os pedidos e os desejos de cada ser humano. raduz-se em suavidade de coração que espera algo de novo da parte de Deus. Damos a Jesus Cristo o direito de entrar na nossa vida.
24 de junho de 2021

Basta que tenhas fé

Jesus Cristo reconhece o desejo e acolhe o pedido de algo mais que habita em cada pessoa. Várias vezes ofereceu sinais de vida. Livrou-nos da morte para nos dar a vida. E dizia: «não temas; basta que tenhas fé».
22 de junho de 2021

Das sombras à esperança

A fraternidade é o caminho da salvação. A «cultura do confronto» pode dar lugar à «cultura do encontro», a fim de «recuperar a paixão compartilhada por uma comunidade de pertença e solidariedade, à qual saibamos destinar tempo, esforço e bens».
19 de junho de 2021

Décimo Segundo Domingo, Ano B

Liturgia familiar e catequese familiar para o Décimo Segundo Domingo, Ano B: Jesus Cristo interpela: «Porque estais tão assustados? Ainda não tendes fé?».
19 de junho de 2021

Sei em quem acreditei

A fé é dom, decisão de amor, ato racional. ‘Creio’ é acolher a presença de Deus como uma dádiva, numa espécie de ‘dança’ entre a inteligência racional e a inteligência emocional. Ao proclamar o ‘Credo’ vinculamos a nossa experiência vital ao conteúdo das verdades essenciais da fé.
18 de junho de 2021

O início

Aos discípulos de ontem e de hoje, no meio das tempestades, o Mestre continua a interpelar: «Porque estais tão assustados? Ainda não tendes fé?». Jesus Cristo questiona o estado da nossa fé.